PERU: além do Machu Picchu

Dicas no geral:

  • Quando decidimos viajar até o Peru compramos passagem para Lima, pois inicialmente pensamos que era mais “fácil” e acessível chegar até Cusco por outro meio, fora avião. Porém, com algumas buscas e conversas, descobrimos que a viagem até Cusco de ônibus dura umas 24 horas e dizem que as estradas são bem perigosas! Portanto, se quer facilitar a viagem, pegue um avião direto até Cusco.
  • Mas se você tiver mais tempo para passear, dê uma passada em Lima que vale muito a pena.
  • Setembro lá ainda faz muito frio!
  • Leve dinheiro, é muito difícil achar algum lugar que aceite cartão em Cusco.
  • Peça sempre desconto.
  • Táxis são baratos, aproveite!

Data 15/09/13

Topo_1o dia

Dicas do diavocê vai escutar muito “señoritas” que são as moças que pedem dinheiro por lá, principalmente as que ficam com filhotes de Lhama para você tirar foto. Se você tirar, saiba que vai ter que dar uma bela gorjeta. Elas não se agradam com pouco.
É importante chegar e descansar para seu corpo se acostumar com a altitude de Cusco (3400 m). Muitos sofrem do mal de Soroche e, para não estragar sua viagem, não saia andando por aí, descanse antes!

Resumo do dia: chegamos em Cusco por volta das 07h da manhã e fomos direto para o Hostel de táxi (são bem baratos!).

Ficamos no Hostel Turistico Recoleta: os quartos e banheiros são bons e o pessoal atencioso. O único problema é que com o uso da água quente durante o dia, à noite ela acabava (eles diziam que a caixa voltava a encher depois de uns 30/40 minutos). Mas no geral, bom.

Como a nossa reserva ainda não tinha sido liberada, aproveitamos para tomar um chá de coca e descansar. Depois fomos a pé até o centro que fica bem perto do Hostel, menos de 10 minutos de caminhada. (Mas se você não tiver descansado muito bem, aconselhamos pegar um táxi).

Chá de Coca e centro de Cusco

Conhecemos a Plaza de Armas e nela, a Catedral de Cusco. Aproveitamos esse momento para já comprar o Boleto Turistico + Guia. O que é esse boleto? O Boleto (uma folha de papel, para controle) oferece entrada para as 16 principais atrações turísticas de Cusco + arredores da região conhecida como Vale Sagrado. Cada vez que você entra em um lugar, fazem um furinho na foto do local. O boleto custou (na época) 130 soles, com validade de 10 dias. É caro, porém, as atrações têm custo separadas e, se você for fazer um passeio maior, é mais prático comprar o boleto com todas as entradas. Como não tínhamos carro, compramos também um guia para nos levar até os locais.

Com isso em mãos, fomos até o local combinado com o guia para pegar o ônibus e nossa primeira parada foi Qorikancha. É conhecido como Templo do Sol e para entrar são 10 soles (sim, essa é uma das entradas que não está inclusa no Boleto). Não ficamos interessadas em entrar e ficamos descansando enquanto esperávamos o pessoal do ônibus. Mas o lugar é muito lindo!

Qorikancha em Cusco

Nossa próxima parada foi no Templo Espiritual Q’enqo, onde eram feitas cerimônias de sacrifícios religiosos. Depois disso, fomos para um lugar com a altitude maior que a de Cusco: 3765 m, em Tambomachay, conhecido como o templo dedicado às águas.

Q’enqo e Tambomachay

E por fim, nossa última visita do dia foi em Sacsayhuaman. O maior de todos os templos incas da cidade de Cusco. As pedras são gigantes e lá é um dos maiores locais para se caminhar também. Como já era mais de noite, começamos a congelar! Levem blusa. É um tira e coloca, mas fazer o quê, melhor do que passar frio!

Sacsayhuaman em Cusco

Como estávamos com guia, antes de ir para o centro da cidade eles passam por uma pequena loja de roupas feitas com lã de lhama, alpaca e etc. São bem carinhas, não compramos.

No dia seguinte (em Q’orao) passamos por uma loja que era mais barata. Mas prestem muita atenção nos preços, pois tem bastante variação.


Data 16/09/13

Topo_2o dia

Dica do diase for sair de Ollantaytambo para Águas Calientes, compre o horário mais tarde do trem. Dessa forma você consegue aproveitar o passeio por Ollanta e depois ir para Águas Calientes (é de lá que saem os ônibus para Macchu Picchu). Compre de Olllantaytambo e não de Urubamba, pois compensará. Urubamba não tem muito para conhecer e as ruínas de Ollanta são imperdíveis!

Selfie com a Llama

Resumo do dia: começamos nosso dia indo até o centro da cidade novamente para nos encontrarmos com o guia e entrarmos no ônibus rumo a Q’orao. Foi lá que encontramos roupas, cachecóis e etc. mais baratos. E também encontramos várias lhamas para tirar fotos! Ou seja, em Q’orao não tem nada além de compras e lhamas. Mas lhamas são fofas, então vale a pena dar uma descida do ônibus!

Depois dessa parada rápida, fomos à Pisaq. Logo que você chega tem vários vendedores artesanais e barraquinhas com comida, então aproveitamos para comer o famoso Choclo (o mesmo que milho, porém, enorme!).  As ruínas arqueológicas de Pisaq são enormes e o lugar é bem grande para caminhar, vá com fôlego!

Choclo e Pisaq

Depois paramos para almoçar em Urubamba (o almoço estava incluso no passeio). Em Urubamba mesmo não tem nada, de longe dá pra ver uma ou outra montanha com neve, mas fora isso a cidade é bem pequena.

Assim fomos rumo as ruínas de Ollantaytambo e, chegando lá, você se depara com uma subida enorme! Ainda bem que nessa hora já estávamos acostumadas com a altitude, porque a subida é bem cansativa. Mas vale muito a pena, um dos lugares mais bonitos que vimos! Obs.: lá em cima venta muito, muito mesmo. Então, apesar do Sol, como já falamos antes, leve sempre uma blusa!

Ollantaytambo e suas ruínas

Depois do passeio, pedimos para o guia nos deixar no centro e assim fomos para a estação de trem rumo a Águas Calientes. O trem que usamos foi o PeruRail (Para comprar o ticket vá até www.perurail.com e no Buy Online coloque Machu Picchu. Depois selecione Sacred Valley > Machu Picchu. Verifique se o Departure Station está em Ollantaytambo).


Data 17/09/13

Topo_3o dia

Dicas do dianão recomendamos ficar em Águas Calientes por mais de um dia. Nossa experiência lá não foi muito boa, pois, além da cidade não ter muito a oferecer, ficamos em um Hostel horrível, o “Bright Hostels Machu Picchu”. Ele cheirava a mofo, era muito úmido e o atendimento nada agradável. A cidade em si é muito úmida, então prestem atenção nisso e nos comentários de Hostel/Hotel para não passarem noites desagradáveis.

Placa para Machu Picchu

  • Para entrar em Machu Picchu, você precisa comprar um ingresso pelo site http://www.machupicchu.gob.pe. Depois de selecionar Macchu Picchu, você vai notar que tem algo a mais nas opções de Ruta, pois com um pouquinho a mais dá para ter experiências diferentes lá dentro! Portanto, recomendamos – muito – comprar o ingresso para subir na Huayanapicchu também! A vista de lá é espetacular e imperdível. E atenção: só são liberadas 400 pessoas por dia para subir (200 no primeiro horário e 200 no segundo), por isso compre antecipadamente!
  • Como dissemos anteriormente, o ideal é ir de Ollantaytambo para Águas Calientes no fim da tarde, dormir e ir para Machu Picchu logo cedo. Assim você consegue aproveitar tudo e já pegar o trem de volta para:
    Cusco, se não quiser fazer mais nenhum passeio; ou
    Ollantaytambo, e fazer os famosos passeios por Maras, Moray e Chinchero no dia seguinte.

Fila para entrar no ônibus até Machu Picchu

Resumo do dia: saímos do Hostel bem cedo para comprar as passagens de ônibus para subir até Machu Picchu (não se assustem com a fila gigantesca de espera de ônibus para subir, pois, depois que começa, eles chegam de 5 em 5 minutos).

Chegamos em Machu Picchu mas não nos demoramos na apreciação, pois nosso horário para entrar na linda Huaynapicchu era o primeiro (lá está escrito Waynapicchu, mas em Cusco cada hora tudo é escrito de um jeito). Nos deparamos, então, com uma imensidão!

Vista da montanha Huaynapicchu

Estávamos com certo receio da subida, pois tínhamos lido que era muito íngreme para subir e que poderia ser perigoso. Ela é bastante íngreme e cansativa mesmo, porém, não há dificuldade para realizar a subida e nem a descida, não precisa ficar com medo (a não ser que você tenha medo de altura, claro).

Subida da montanha Huaynapicchu

Tudo é muito seguro e com os devidos cuidados e a devida atenção, o passeio se torna muito tranquilo. Cansa muito, porém a paisagem é MARAVILHOSA, muito compensadora. É bom levar comida e água, há muitas paradas no caminho para tirar fotos, e assim você pode aproveitar para descansar um pouco.

Vista de Machu Picchu da montanha Huaynapicchu

Depois de aproveitar a vista única de Macchu Picchu, descemos para ver tudo isso de perto! É tudo lindo, as ruínas, as lhamas circulando livremente, as histórias e os segredos. Com certeza uma parada imperdível dessa nossa América do Sul.

Machu Picchu completa

Enfim, depois de muito andar e descansar pelas ruínas, encerramos nosso passeio e voltamos para Águas Calientes.


Data 18/09/13

Topo_4o dia

Dica do dia: no caminho de Ollanta até Cusco existem algumas atrações bem conhecidas e optamos por fazer: Maras, Moray e Chinchero. Deixamos para comprar esse passeio no dia, com guias que ficam em peso na estação de trem de Ollantaytambo. Optamos por um passeio de carro, que acabou saindo bem mais barato do que se pegássemos uma Van. Não sabemos até hoje se isso é realmente seguro, porém lemos em blogs que muita gente fazia isso então topamos. E com isso tivemos a liberdade de ficar o tempo que queríamos em cada parada.

Resumo do dia: a primeira parada foi Moray, conhecida por ter sido um laboratório de agricultura utilizado pelos Incas. Fomos em uma época em que a paisagem não estava verde, mas não deixou de ser bonita.

Paisagens de Moray

A segunda parada, e maravilhosa, foi a Salineras de Maras (outra atração que não faz parte do boleto turístico, ou seja, tem que pagar para entrar. Mas vale a pena).
As lagoas de sal são formadas a partir de uma fonte de água muito salgada. A água vai para essas lagoas e, com o Sol, evapora e fica supersaturada. Depois de alguns dias, os cuidadores raspam as paredes e os fundos para a retirada desse sal. Você pode passear livremente entre essas “lagoas salgadas”, mas com cuidado, pois as beiradas são muito lisas e estreitas. Aqui tem várias lojinhas que vendem produtos provindos das Salineras, comidas e souvenir.

As Salineras de Maras

Depois seguimos rumo à terceira parada, Chinchero: lá existe uma feira muito conhecida, mas ela só acontece aos domingos. Então quando fomos estava tudo bem vazio, portanto a visita foi rápida. Mas pela cidade há muitas lojinhas, e entramos em uma na qual as mulheres estavam vestidas a caráter e trabalhando com as lãs. Muito legal de conhecer!

Trabalho artesanal em Chinchero


Data 19/09/13

Dica do diase você quer uma visita rápida, 4 dias está ótimo, incluindo a ida à Machu Picchu. Então não tem necessidade de ficar um 5º dia, ainda mais em Cusco, que é rápida de visitar. Mas claro, vai do estilo e gosto de viagem de cada um!

Resumo do dia: aproveitamos esse dia para conhecer melhor a cidade. Fomos até onde dava para ver o “Viva el Peru” escrito na montanha, mas estava muito apagado então quase nem achamos. E também visitamos um lugar que estava incluso no boleto turístico: “Centro Qosco de Arte Nativo”. Ali tem uma apresentação de dança (muito chata e esquisita, mas esse é outro caso de gosto rs).

Paisagens de Cusco

Assim acabou nosso passeio em Cusco e no dia seguinte pegamos um avião para Lima.


Data 20 e 21/09/13

Topo_6o e 7o dia

Dica: se puder, fique mais tempo em Lima. Dois dias podem não ser suficientes para conhecer as principais atrações da cidade.

Resumo dos dias: chegamos em Lima e já saímos para passear, ficamos no Ekeko Hostel, muito agradável. Fica em um bairro muito bom (Miraflores), perto de um Sítio Arqueológico chamado Huaca Pucllana. Fica perto, também, da Avenida Arequipa, onde tem muitas lojas e lugares conhecidos e foi por ela  que conseguimos chegar fácil ao Parque Central Miraflores, onde pegamos o Mirabus para passar pelos principais pontos da cidade.

Passeio noturno por Lima

Compramos o passeio feito à noite, que faz um tour pela cidade. Faz uma parada no Sheraton para um pequeno lanche e depois segue para um parque onde há um show de águas dançantes. Muito bom o passeio, vale a pena.

Show de luzes em Lima

E no dia seguinte aproveitamos para passear no Shopping Larcomar (muito lindo, dá para ver a costa dali) e conhecer mais um pouco da cidade, passeando a pé e de ônibus pelos arredores.

Deixe uma resposta